segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

CORNUCÓPIA DE DESEJOS

Fernando Canto

Por querer expressar meu pensamento sobre as coisas em meu idioma, às vezes arrebato o próprio coração em sofridas angustiosidades e dissentimentos infaláveis.

É o caso do amor ensolarado que sinto agora, neste mirífico momento. Um assunto ressoante, uma prosa-cornucópia (onde abundância reina) a refratar-se sem a culpa do inexpressável parlar.

Não vejo como não ensopar-me de enluação nesta crônica de candura quase irrevelável, posto que o meu amor possa entender-me ou espumar-se para sempre para o inevitável espanto que a declaração enseja. Paresque um salto com a vara achada (depois de perdida) numa olimpíada de sonhos.

Assim eu declaro: a cobra norato, o m’boitatá e as luzes do fogo-fátuo se expiram na noite. Teus olhos não! Teus olhos ternuram a medida do dia, solfejam histórias e cantam paisagens inescrutáveis para os sonostortos dos mortais. Eu sou o arauto deste cenário-testamento a castigar retumbantemente o couro dos tambores; eu anuncio a sublime compreensão do “amooor” que ecoa em gargalhadas sobre as ondas do rio. Eu declaro ainda: a pedra em sua bruta forma tem dentro de si os elementos primordiais que suprem tua sede de amar. Balance a pedra e sinta o gutigúti da sua oferenda. Lapide-a, pois ela provém da terra, e então perceberá o calor do fogo da paixão libertadora e o ar morno que movimentará o sangue pelas entranhas.

Num átimo, um áugure qualquer (que são muitos e banais) lerá tua sorte: dirá augúrios, claro. Um aúspice (que estão cada vez mais raros) dirá tua sina no vôo dos louva-deuses. E te auspiciará de boas-novas e de valores inequívocos.

Ora, dizendo isso afirmo que sou aquele que nem sabe discursar suas dores, inda que saiba do futuro, pois habito o limiar do tempo. Eu sou a timidez em prosa e verso, aluno de poesia, mas prenhe de pecados, porque ingiro virtudes nos bares da noite e não sei segredar projetos inexequíveis. Não sei, juro pueril e ludicamente (mas com toda a sinceridade de uma parlenda) pela fé da mucura, torno a jurar pela fé do guará, torno a repetir pela fé do jabuti, que não sei mentir ao sabor do vento dos ventiladores que me sopram fumaça de cigarro. Descobri que sei de ti mais do sabes da pedra em teu caminho. Sou teu (adi)vinho incontestável, ad-mirador de tua ternura. Por isso do alto da minha velada arrogância sei que tu também me amas.

Mas é de ti que quero o conteúdo dessa bilha onde Ianejar e seus pareceiros se abrigaram do fogo ardente e do dilúvio. É por ti que generalizo a farsa da criação sem pesadelos cosmogônicos. Eu me agonizo em mistérios. Eu eternizo o meu olhar nessa paixão. E me enleio como as borboletas que viajam ao paraíso pelo buraco sem-fundo do fim da terra.

Por isso eu sei que te amo.

Por isso vago ainda em fluidos imemoriais sempre presentes, antes do esquecimento das vitórias que juntos comemoramos. Por isso a ternura há de ser o mais farto elemento da imensa cornucópia de desejos que realizamos juntos.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Clarice Lispector

"Sou composta por urgências:
minhas alegrias são intensas;
minhas tristezas, absolutas.
Entupo-me de ausências,
Esvazio-me de excessos.
Eu não caibo no estreito,
eu só vivo nos extremos.

Pouco não me serve,
médio não me satisfaz,
metades nunca foram meu forte!

Todos os grandes e pequenos momentos,
feitos com amor e com carinho,
são pra mim recordações eternas.
Palavras até me conquistam temporariamente...
Mas atitudes me perdem ou me ganham para sempre.

Suponho que me entender
não é uma questão de inteligência
e sim de sentir,
de entrar em contato...
Ou toca, ou não toca.”
Clarisse Lispector

Nem tudo é fácil



É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste.
É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada
É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre.
É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia.
É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.
É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo.
É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.
É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.
Se você errou, peça desculpas...
É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado?
Se alguém errou com você, perdoa-o...
É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender?
Se você sente algo, diga...
É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar alguém que queira escutar?
Se alguém reclama de você, ouça...
É difícil ouvir certas coisas? Mas quem disse que é fácil ouvir você?
Se alguém te ama, ame-o...
É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz?
Nem tudo é fácil na vida...Mas, com certeza, nada é impossível
Precisamos acreditar, ter fé e lutar
para que não apenas sonhemos, Mas também tornemos todos esses desejos, realidade!!!
Cecília Meireles

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

SONETO INGLÊS No. 1

Quando a morte cerrar meus olhos duros
- Duros de tantos vãos padecimentos,
Que pensarão teus peitos imaturos
Da minha dor de todos os momentos?

Vejo-te agora alheia, e tão distante:
Mais que distante - isenta. E bem prevejo,
Desde já bem prevejo o exato instante
Em que de outro será não teu desejo,

Que o não terás, porém teu abandono,
Tua nudez! Um dia hei de ir embora
Adormecer no derradeiro sono.

Um dia chorarás... Que importa? Chora.
Então eu sentirei muito mais perto
De mim feliz, teu coração incerto.

Manuel Bandeira

RECEITA DE ANO NOVO

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)
Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Ana Martel no Rod’s Bar

 

foto_marciadocarmo  Ana Martel é a atração da Tenda Cultural do Rod’s Bar, na orla do Araxá, na sexta-feira(09/12).

O espaço, que se revelou neste ano de 2011 uma vitrine privilegiada para a apresentação de músicos do Amapá, inicia o último mês do ano com o show de Ana Martel que faz um balanço do trabalho realizado em 2011.

Quem viu “Sempre Bossa”, “Branca no Samba” e “Sou Ana”, vai se deliciar com os melhores momentos destes shows. Quem não viu, não pode perder a oportunidade de apreciar os sambas, as bosas, as baladas que Ana Martel interpreta com o carisma e a competência de sempre.

De quebra, quem for ao Rod’s Bar vai comemorar com Ana Martel o sucesso do trabalho realizado em Juiz de Fora-MG e Valença-RJ.

Músicos de alto nível acompanham a artista: Hian Moreira (Contrabaixo), Fabinho (Guitarra), Valério de Lucca (Bateria e Percussão) e Jeffrey Redig (Teclados).

Serviço:
Show Musical Ana Martel
Local: Rod’s Bar
Endereço: Orla do Araxá
Data: 09/12/2011
Hora: 23:00h

Couvert: 4,00

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Meu Aniversário

niver_soniaFico um tanto nostálgica no dia do meu aniversário. Acordo com vontade de chorar. Fico pela casa ensimesmada, procurando erva daninha nos vasos de plantas, arrumando gavetas e por ai, vai. Costumo dizer que quem comemora aniversário nesta família é o Fernando (e haja comemoração!), meus filhos (Lenio, André Oriana e Bruno) e as crianças (Leonardo, Ana Clara, Amanda e Clarice).

Neste meu aniversário foi diferente, muito diferente. Foi especial e inesquecível. Nada de choro, alguma arrumação, uma ajeitadinha em alguns vasos de plantas.

O que mudou? Recebi todos os telefonemas da família que recebo todos os anos e passei o dia lendo no celular as palavras delicadíssimas de meus amigos do Facebook. Não sei se consegui responder a todos. Mas esta foi minha intenção. A sensação é que estive o dia inteiro em uma grande festa, com pessoas queridíssimas me desejando saúde, felicidade, paz, sucesso, luzes, bênçãos. Mas o mais importante e fundamental é que, em um momento do dia, meus amigos reais e virtuais dedicaram um minutinho de suas vidas para emitirem excelentes vibrações em minha intenção. Isto é absolutamente especial e inesquecível.

Em razão disto, quero agradecer e externar meu carinho e apreço por todos os que dedicaram a mim um pensamento proativo, e dizer que descobri a razão da nostalgia no dia do meu aniversário: Eu gosto mesmo é de FESTA.

Fiquei tão feliz que resolvi cozinhar. Fiz lasanha e filé recheado. Comprei pizza e um bolo no supermercado. Coloquei a vela de quatro anos do aniversário da Ana Clara e meu Fernando, meus filhos, meus netos, Cristiana, Gustavo, Diego, Lene e D. Helena Mont’Alverne cantaram parabéns pra mim. Foi perfeito.

Parabéns pra mim.


Presente pros meus amigos.

Flores do meu jardim.

DSC02149DSC02151

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Grupo Pilão, na Expofeira

grupo pilão_expofeira “Abram-se os portais dos teus altares/Rufam-se os sinais dos teus tambores”. O Grupo Pilão, com 36 anos de existência, renova-se a cada show. O show “Encantaria” conseguiu reunir alguns “passantes”, ontem. É como se a magia dos tambores congelasse a multidão que teimava em apenas “passar” pelo Palco da Rainha.

Grupo Pilão_passantes Quem ficou congelado :)… dançou marabaixo, batuque, coatá, samba-choro e curtiu um showzaço. O Grupo teimou em apresentar todas as 11 canções que estavam no repertório.

grupo pilão e banda Final do Show… Grupo Pilão e Banda: Hian Moreira (Bateria), Juninho (Teclado), Fabinho Costa (guitarra), Alan gomes (Direção e Contrabaixo), Orivaldo Azevedo (Pilão), Marcelo (Metais), Leonardo Trindade, Bi Trindade, Fenando Canto, Eduardo Canto e Juvenal Canto (Pilão).

Manoel Sobral, na Expofeira

manoel sobral_expofeira

Ana Clara, 4 anos

Ana Clara Mont'Alverne1 Ana Clara desde 26/10/2007 faz parte de nossas vidas. Feliz Aniversário, princesa.

Ana Martel, na Expofeira

ana martel na expofeira Ana Martel fez, como sempre, um show impecável na Expofeira.

Vencedores do III FESTIVAL DA MÚSICA INSTRUMENTAL DO AMAPÁ

 

fabinhoFabinho Costa, “Pega Cutia” 1º Lugar
 
jacinto kawage
Jacinto Kawage, “Espiral do Som”, 2º Lugar
 
Hian Moreira Hian Moreira, “Tarde Chuvosa”, 3º Lugar

A finalíssima do III FEMINSAP (www.feminsap.com.br), produzido pelo multi-instrumentista Finéias Nelutty aconteceu no Centro de Difusão Cultural João Batista de Azevedo Picanço, no dia 22/10.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Festival de Música da Assembléia Legislativa

Vai ser no sábado (15/10), no Centro de Difusão Cultural João Batista de Azevedo Picanço, a partir de 19:00h.

Fernando Canto vai defender duas composições: Analogia, de sua autoria e Meu Laguinho Querido, em parceria com Manoel Cordeiro.

Vamos prestigiar e cantar junto.

Analogia

De: Fernando Canto

Ana na vida, na noite, no mar

Ana no amor, Ana em mim

Ana na vida, Ana na noite

Ana no amor, Ana em mim

Ana em mim, Ana no amor.

Anda guerreira

tira teu retrato

nesse céu com fome

veste teu azul

arde guerrilheira

venta solta o dia

diz que é analogia

põe cuspo no sol

Ana fogo-fátuo

sonho de água doce

só depois na noite

foge atrás do mato.

Ana na vida, na noite, no mar

Ana no amor, Ana em mim

Ana na vida, Ana na noite

Ana no amor, Ana em mim

Ana em mim, Ana no amor.

Meu Laguinho querido

De: Fernando Canto e Manoel Cordeiro

Meu Laguinho querido

Como é que vai você?

Há tanto tempo eu fui

Depois voltei pra ti

Pra não morrer de dor.

Eu não sei como pude

Ficar longe daqui

Com tanto amor e saudade, não!

Seja lá como for

Estou aqui e sou bem feliz.

Comi o pão que o diabo amassou

Andando em outros caminhos

Longe da vista do teu pôr-do-sol

Pisando só em espinhos

Errando, acertando e morrendo

Noutra dimensão

E agora sim

Só tu

Me fazes ter amor no coração.

domingo, 2 de outubro de 2011

Ana Martel cai no samba terça-feira no Norte das Águas

Quem não gosta de samba... Hum, bom sujeito até pode ser, mas não sabe o que está perdendo. Ana Martel, cantora e compositora amapaense, tem um pé na ginga brasileira. Na próxima terça-feira (04) ela vai agitar a orla do Amazonas com o show “Branca no Samba”, que vai acontecer no Bar Norte das Águas, no Complexo do Araxá. Ana passeia por clássicos de autores como Paulinho da Viola, Geraldo Pereira, Gilberto Gil, Chico Buarque e sambas de novos compositores da MPB como Pedro Luís e Arlindo Cruz.
Com mais de 25 anos de carreira, em seu primeiro CD, “Sou Ana”, a artista gravou o ritmo que canta desde o início de sua carreira, o samba faz parte de sua formação musical. A canção Branca no Samba, que dá nome ao show, é uma das faixas do CD, onde a maioria das canções é da própria artista. A música, dos autores paraenses Paulinho Moura, Biratan Porto e Marcelo Siroteau, sinaliza a veia sambista de Ana.
 O show terá produção de Sonia Canto, Verinha Leal e Nilda Neves. Na banda base Ian Moreira (baixo), Igor Moreira (cavaquinho), Huan Moreira (percussão), Jeffrey Redigue (teclado), Valério de Luca (bateria) e Fabinho Costa (guitarra). Os ingressos custam R$ 5,00 e podem ser adquiridos no local do show ou através dos telefones 9148-2899, 8116-9169. O início do show está marcado para as 21 horas.
 Serviço:
Show Ana Martel / Branca no Samba
Bar Norte das Águas - Complexo do Araxá
Terça-feira (04) / 21 horas

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

terça-feira, 27 de setembro de 2011

1º Festival de Música da Assembléia Legislativa do Amapá – Músicas Classificadas

Musica Compositor
A BELA DONA DA VOZ BELA Augusto Oliveira e Cássio Pontes
A PAUSA Sergio Sales
AMAPÁ Mauro Guilherme
ANALOGIA Fernando Canto
AQUÁRIO DAS MARÉS Ademir Pedrosa / Osmar Junior
AV. FAB Luis Afonso Rodrigues e Alan Yared
CANTO MINHA FÉ Tatiana Oliveira Lobato
CONGRATULAÇÕES João Carlos da Silva Amorim
DELEITE Ademir Pedrosa / Cléverson Baía
FLOR QUE NÃO EXALA Augusto Oliveira / Cássio Pontes
MENINA DO RIO AMAZONAS Tatiana Oliveira Lobato
MEU FORTE Dilean Monper / Diule Monper
MEU LAGUINHO Fernando Canto
NA PONTE Paulo Roberto Guedes Bastos
NO RIO AMAZONAS Ricardo Iraguani / Gerinaldo Pinheiro
POROC POROC Jeronimo B. de Souza / Edmilson P. Jacques
PRECES LOUVORES E BATUQUE Cléverson Baía
REDENÇÃO Paulo Roberto Guedes Bastos
TUCUJU BRASILEIRO Sabá Tião
VIDA ROTINA Gerffeson Brito Moreira

MUSICAS SUPLENTES

1ª. Criança Gerffeson Brito Moreira
2ª. Meu Lugar Hugo Moreira
3ª. Nega Senzala Vanderlei Pereira e Clay Luna
4ª.11º Mandamento (Não desmatarás) Chermont Junior
5ª. Coração de Uaiua Roni Moraes e Nonato Santos

Grupo Pilão – 36 anos - História

Em 1979, o Grupo Pilão apresentou-se no III FUMAP – Festival Universitário da Canção, acompanhando Manoel Sobral que interpretou a música “Curriculun Vitae”, de Fernando Canto, vencedora do Festival.

FUMAP-1979

Jornal do Povo_1979

CURRICULUM VITAE

Fernando Canto

Fui alquimista supremo

Nas terras de um rei

Fui feiticeiro sensato

Cumpri a minha lei

Fui à maré vazante

Entulhos deixei

Fui combustível à vista

E me incendiei

Criava misturas confusas

De sonhos sem cor

Tirava do fogo a vida

De seu calor

Andava montado ao dorso

De meus dragões

Trazia sempre a tiracolo

Meus furações

Mas veio a meia-noite

O povo acordou

E só com açoite

Ele me lambou

Fez também fogueira pra me queimar

Me cuspir na cara, esbofetear

Já morreram tantos

Pra que outros tantos

Tivessem sendas

Pra caminhar

Sim toda estrada

E fácil para vencer

Toda hora é hora para morrer

Todo tempo é fruto de gerações

Todo filho é homem de soluções

E com os braços lentos

Dei muito tempo

pra minha andança continuar

Mas veio a meia-noite

O povo acordou

E só com açoite

Ele me lambou

Fez também fogueira

pra me queimar

Me cuspir na cara, esbofetear

Já morreram tantos

pra que outras tantos

tivessem sendas

pra caminhar

Sim toda estrada

E fácil para vencer

Toda hora é hora para morrer

Todo tempo é fruto de gerações

Todo filho é homem de soluções

E com os braços lentos

Dei muito tempo

pra minha andança continuar

Olha o amor lá no céu

Sol virá, meu senhor

Veja a corrente, compadre, vai rebentar

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Grupo Pilão – 36 anos

O Grupo Pilão se apresentou pela primeira vez no V Festival Amapaense da Canção, no dia 26 de setembro de 1975.

Concorrendo com a música “Geofobia”, de autoria de Fernando Canto e Jorge Monteiro, o grupo apresentou um pilão como instrumento musical, daí o no nome do Grupo.

O registro da primeira apresentação do Grupo Pilão está no Jornal do Povo, de 27/09/75.

Jornal do Povo_1975 Na Maré dos tempos

“Geofobia” foi classificada em 3º lugar e está no CD “Na Maré dos Tempos”.

GEOFOBIA

Jorge Monteiro – Fernando Canto

Teu espaço é pouco para morrer

O teu tempo é pouco pra trabalhar

Esta terra é grande pra se plantar

“Se plantar de tudo de tudo dá”

Hoje é dia de alegria, Zé

Esquece a lida que te mata, Zé

No igarapé tem peixe, pé-de-cana

Tem pé-de-feijão

Tem pé-de-cana, tem pé-de-feijão

Hoje é dia de alegria, Zé ...

Tem marabaixo, Zé

Temos um verso, né

Tem muita gente, Zé

Tem alegria, né?

Tem outra vida, Zé!

Tu me acreditas, né?

Põe castanha no pilão

Pra socar paçoca pra gente pra gente comer

Vê se achas cachaça pra gente beber!
Esquece o tempo que passou, passou

Esquece a vida: o que passou, passou

Pois vem tempo pra roça pra florir

E mandioca pra gente curtir

Ao sol do amanhã

Hoje é dia de alegria, Zé

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Com 'Ária ao vivo', Djavan vira a página e já pensa no futuro disco, faz canção para Bethânia e produz Mart'nália - O Globo

Com 'Ária ao vivo', Djavan vira a página e já pensa no futuro disco, faz canção para Bethânia e produz Mart'nália - O Globo:

'via Blog this'

V FESTIVAL DE MÚSICA DE PARAUAPEBAS - FEMPA

Aconteceu em no período de 08 a 10.09, a quinta edição do Festival de Música de Parauapebas – FEMPA/PA.

Chermont-Jr-defende-Cancao

Chermont Jr., de Macapá-AP conquistou o 3º lugar com a música "O Rei dos Tambores chama-se Verequete”, de Chermont Jr e Ana Alves.

Sergio Sales

Sergio Sales, de Macapá/AP, foi premiado com a Melhor Letra, pela canção “Ave Poeta”. (Imagem disponível em http://novopapeldeseda.blogspot.com)Paulo_Monarco

Paulo Monarco, de Cuiabá-MT, foi o grande vencedor com a música “Ame”.

Classificação e premiação

1° Lugar: Paulo Monarco (Cuiabá / MT) - "Ame" - R$ 7.000,00

2° lugar: Alba Maria - "Linha Cruzada" (Belém / PA) - R$ 5.000,00

3° lugar: Chermont Jr. (Macapá / AP) - "O Rei dos Tambores chama-se Verequete" - R$ 3.000,00

Melhor Letra: Sérgio Sales (Macapá / AP) - "Ave Poeta" - R$ 2.000,00

Melhor Intérprete: Adriana Cavalcante (Belém / PA) - "Arcabuz" - R$ 2.000,00

Voz do Povo: Willian Barros - "Senhora da Tribulação" (Parauapebas / PA) - R$ 2.500,00

Prata da Casa: Willian Barros - "Senhora da Tribulação (Parauapebas / PA) - R$ 2.500,00

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Parabéns Elton Tavares

Elton Tavares (Godão)

Desejo

Carlos Drummond de Andrade

Desejo a você

Fruto do mato

Cheiro de jardim

Namoro no portão

Domingo sem chuva

Segunda sem mau humor

Sábado com seu amor

Filme do Carlitos

Chope com amigos

Crônica de Rubem Braga

Viver sem inimigos

Filme antigo na TV

Ter uma pessoa especial

E que ela goste de você

Música de Tom com letra de Chico

Frango caipira em pensão do interior

Ouvir uma palavra amável

Ter uma surpresa agradável

Ver a Banda passar

Noite de lua Cheia

Rever uma velha amizade

Ter fé em Deus

Não ter que ouvir a palavra não

Nem nunca, nem jamais e adeus.

Rir como criança

Ouvir canto de passarinho

Sarar de resfriado

Escrever um poema de Amor

Que nunca será rasgado

Formar um par ideal

Tomar banho de cachoeira

Pegar um bronzeado legal

Aprender um nova canção

Esperar alguém na estação

Queijo com goiabada

Pôr-do-Sol na roça

Uma festa

Um violão

Uma seresta

Recordar um amor antigo

Ter um ombro sempre amigo

Bater palmas de alegria

Uma tarde amena

Calçar um velho chinelo

Sentar numa velha poltrona

Tocar violão para alguém

Ouvir a chuva no telhado

Vinho branco

Bolero de Ravel

E muito carinho meu.

Ps. Encontrei este poema na internet, atribuido a Carlos Drummond de Andrade. Não encontrei em qual livro ele foi publicado. Encontrei isto:

Sem referencial bibliográfico

  • "Desejo(s) e/ou Síntese da Felicidade
Desejo a você/Fruto do mato/Cheiro de jardim/Namoro no portão/Domingo sem chuva ''(...)(Não consta nos livros: "Antologia Poética" de Carlos Drummond de Andrade, bem como em "CDA - Poesia Completa")[carece de fontes]

De toda a maneira, seja de Drummond ou não, expressa exatamente a síntese da felicidade, aquela que é capturada nos momentos mais simples e prazerosos da vida.

sábado, 3 de setembro de 2011

Parabéns Heraldo Almeida

 Heraldo Almeida Hoje é aniversário do radialista Heraldo Almeida que presenteia todas as tardes os seus ouvintes com informações culturais, na Rádio Diário FM (90,9). Felicidades e muito sucesso!

Ana Martel no Lokau – 06/09

DSC00916

Terça-feira (06), véspera de feriado, é dia de curtir a bossa, o samba e o requinte de Ana Martel, no Lokau American Bar (em frente à Secretaria de Turismo).

Na companhia de Valério de Lucca (bateria), Hian Moreira (contrabaixo), Fabinho (guitarra) e Hugo Moreira (violão), Ana promete uma noite com muito suingue.

De 22:00 às 00:00h, Ana Martel vai interpretar canções de seu CD “Sou Ana” e de grandes compositores da MPB.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Ana Martel no Lokau

Ana_Valério_Fabinho_Hian[4] Nesta quinta-feira, 25, a cantora Ana Martel se esbalda em sambas e saudades no Bar Lokau, ali atrás da Praça Zagury. Ana não é só revelação. Revela o fundo da alma da Ana cantora e transmite a energia do equinócio nas ondas de sua bela voz. Os músicos Fabinho, Hian Moreira e Valério de Lucca acompanharão Ana no show. (do blog do Fernando: www.fernando-canto.blogspot.com)

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Ana Martel, show de aniversário

convite_anamartel2 convite_anamartel1

Ana Martel faz aniversário e quam ganha presente são seus inúmeros fãs.

Grande oportunidade de ver e ouvir Ana Martel em um mix de seus belíssimos shows “Sou Ana”, Sempre Bossa” e “Branca no Samba”

Data: 21/06 (terça-feira), no Norte das Águas (Araxá), às 21:00h

Não há venda de mesas nem couvert artístico. Prepare-se para o consumo do bar.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Lembranças e saudades

Bê , Jalo

Maria Bê, Jalva, mãe de Tissiano, no colo; eu com Lênio no colo; Sueli com Rômulo no colo; as crianças à frente: Mário Júnio, filho da Bê, Leina Cláudia, filha de Meton e Graça, e Vássia Vanessa, filha de Jalva.

Hoje li uma crônica da Vássia Silveira http://todaquinta.blogspot.com a memória voltou para 1975, quando comemorávamos o primeiro ano do Lênio, meu filho.

Encontrei várias fotos daquele tempo e esta, é emblemática. Grandes amigas estão ali, com seus filhos, num tempo em que sonhávamos sonhos atemporais.

Hoje nossas vidas tomaram rumos diferentes e resta a saudade de um tempo mágico.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

“Branca no Samba” na Casa de Choro Ceará da Cuíca

Ana Martel

É nesta sexta-feira (08), a terceira edição do show “Branca no Samba”, com Ana Martel.

O repertório é mesclado de composições de sambistas renomados da música brasileira (Paulo Cesar Pinheiro, Paulinho da Viola, Arlindo Cruz, entre outros) e promete o mesmo sucesso dos dois shows anteriores.

Quem não viu, vai ver que nunca levou fé”, canta Ana Martel na música que dá nome ao show, uma composição de Biratan Porto, Paulo Moura e Marcelo Sirotheau.

Para completar a performance, a banda-base é formada pelos músicos Huan Moreria (percussão) Ian Moreira (contrabaixo) Higo Moreira (cavaquinho) Valério de Lucca (bateria), Mexicano (violão) e Juninho (Teclado).

Ana Martel é amapaense, começou sua carreira cantando em bares de Macapá e Belém acompanhando outros músicos ou em apresentações individuais, e neste show revela-se uma intérprete madura e antenada com o que há de novo no samba brasileiro.

Serviço:

Local

Casa do Chorinho Ceará da Cuíca

Data: 08/04/11  Hora: 22h30

Mesa: 60,00

Contatos:

Sonia Canto: 8138-9690 / 9149-9536 / 8803-8348

Alyne Kaiser: 9111-1916 / 84030400 / 81110400

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Ana Martel no Programa Olimpio Guarani

 

DSC02702 DSC02676
DSC02691 DSC02701

 DSC02659    Ana Martel estará amanhã (02/04), sábado no Programa Olimpio Guarani que vai ao ar às 11h00, com reprise no domingo (03/04), domingo às 08h00. Vale a pena conferir.

Ana Martel se apresentará na Casa do Chorinho do Ceará da Cuíca no dia 08/4, sexta-feira, com o show “Branca no Samba”.

Mesas a R$ 60,00 pelos telefones: 9149-9536 / 8138-9690 / 8803-8348.

terça-feira, 29 de março de 2011

Tem “Branca no Samba” na Casa de Choro Ceará da Cuíca

Pra quem gostou da segunda edição e esperava mais, a volta de Ana Martel com o show musical “Branca no Samba”, já tem data marcada. Acontece no dia 08 de abril, a partir de 22h30, na Casa de Choro Ceará da Cuíca.

O repertório é mesclado de composições de sambistas renomados da música brasileira e promete o mesmo sucesso dos dois shows anteriores.

Quem não viu, vai ver que nunca levou fé”, canta Ana Martel na música que dá nome ao show, uma composição de Biratan Porto, Paulo Moura e Marcelo Sirotheau.

Para completar a performance, a banda-base é formada pelos músicos Huan Moreria (percussão) Ian Moreira (contrabaixo) Higo Moreira (cavaquinho) Valério de Lucca (bateria), Mexicano (violão) e Juninho (Teclado).

Ana Martel é amapaense, começou sua carreira cantando em bares de Macapá e Belém acompanhando outros músicos ou em apresentações individuais, e neste show revela-se uma intérprete madura e antenada com o que há de novo no samba brasileiro.

Serviço:

Local: Casa de Chorinho Ceará da Cuíca

Data: 08/04/11   Hora: 22h30

Mesa: 60,00 / Ingressos na portaria: 15,00

Contatos:

Sonia Canto: 8138-9690 / 9149-9536 / 8803-8348

Assessoria de Comunicação

Alyne Kaiser: 9111-1916 / 84030400 / 81110400

domingo, 20 de março de 2011

terça-feira, 15 de março de 2011

Branca no Samba, no Ceará da Cuíca

ana_dvd amcap[4]Ana Martel apresenta a terceira edição do show musical “Branca no Samba”, no dia 08/04/11, a partir de 22:30h, na Casa do Chorinho Ceará da Cuíca.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Heraldo Almeida na Diário FM

 heraldoalmeida Produtores e atores de todos os segmentos culturais aplaudem o retorno do Programa de Rádio Movimento em Ação, com com lançamento previsto para o dia 14 de março, na rádio Diário FM 90,9, das 16 às 18h, de segunda à sexta-feira.

O jornalista Heraldo Almeida garante que o programa retorna para divulgar a cultura amapaense em todas as suas vertentes.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

ANA MARTEL apresenta “BRANCA NO SAMBA”

DSC06325 Com um repertório mesclado composições de sambistas renomados da música brasileira, ANA MARTEL volta ao Armazen Beer nesta sexta-feira (18) com o show “BRANCA NO SAMBA”.

Quem não viu, vai ver que nunca levou fé”, canta Ana Martel na música que dá nome ao show, uma composição de Biratan Porto, Paulo Moura e Marcelo Sirotheau e, desta forma, convida seus admiradores para uma noite de samba em todas as suas vertentes.

Para completar a performance a banda-base é formada pelos músicos Huan Moreria (percussão) Ian Moreira (contrabaixo) Higo Moreira (cavaquinho) Valério de Lucca (bateria) Lucas Borges (piano) e Mexicano (violão).

Serviço:

Show: Branca no Samba

Local: Armazen Beer/av: Presidente Vargas, Centro

Data: 18 de fevereiro Hora: 22:30

Mesas antecipadas: R$ 60,00

Contatos: 9149-9536

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Parabéns, Professor Munhoz!

Munhoz Lopes Hoje é aniversário do professor Antônio Munhoz Lopes. Nascido em Belém no dia 10/02/32, completa hoje 79 anos, dos quais, 52 foram dedicados ao Amapá.

Emprestou sua inteligência e sensibilidade a formar corações e mentes amapaenses na arte e literatura.

Quem, a partir de 1960, não teve sua mente instigada pelo conhecimento do professor Munhoz, nas aulas ministradas, principalmente, no Colégio Amapaense?

A cada ano, no início do ano letivo, os alunos ficavam na expectativa das novidades que o professor traria de mais uma viagem internacional, a falar sobre museus, música, dança, os novos livros e filmes que foram lançados.

E lá vinha o professor Munhoz com seus passos curtos e apressados, a pasta preta debaixo do braço, recheada de fotos e prospectos dos locais visitados, pronto para compartilhar suas andanças pelo mundo. Era como se todos nós, alunos e alunas, tivéssemos acompanhado sua viagem, tal a riqueza de detalhes.

Hoje, aos 79 anos, é comum vê-lo nos principais eventos da cidade, sempre com o olhar perscrutante e disponibilidade para um bom papo. Parabéns professor.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Jorge Herberth de berço

    Sereco 23

Bons tempos!!!

Sereco 3

Quem é a dama?

Sereco 4

Lourinho, parece um caruana!Sereco 19

Bons tempos do Grupo Pilão

ezequias_jorge_fernando

Ezequias Assis, Jorge Herberth e Fernando Canto. Professor Munhoz ao fundo.

Feliz aniversário, meu amigo. Te presenteio com momentos especiais.